sábado, 16 de julho de 2016

Trabalhar mais é solução?

Recentemente surgiu uma proposta feita por Robson Braga de Andrade, Presidente da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), que defende o aumento radical da jornada de trabalho para até 12 horas diárias. Segundo ele, esta medida aumentaria a produtividade do país e ajudaria a combater a crise econômica pela qual passamos.

Qual é a minha opinião sobre o assunto? Esta medida não é boa para os trabalhadores, ou seja, para a maioria dos brasileiros. As pessoas teriam várias horas a menos para outras atividades, para estudar, para lazer, para ir a uma academia ou ter uma atividade de saúde preventiva. Além disto, poderia até "quebrar o galho" do setor industrial, mas por limitar as horas dos trabalhadores a outras atividades que não sejam o trabalho, todos os demais setores da economia serão prejudicados. Imaginem os trabalhadores com menos horas para, por exemplo, frequentar um curso de graduação e melhorar sua qualificação. 

Além disso, esta medida significa uma grande derrota para o país, por evidenciar que além de apresentarmos índices lamentáveis de produtividade no Brasil e uma carga tributária que quase inviabiliza a atividade empresarial, ainda pensa-se, em pleno século XXI, em instalar uma carga horária laboral típica dos séculos XVIII ou XIX. Com toda a tecnologia disponível, a ideia deveria ser exatamente a contrária.

Se o Estado brasileiro diminuir a carga tributária, as empresas conseguirão maiores faturamentos sem precisar deste aumento de carga laboral, bem como ainda estimulará o empreendedorismo, gerando mais empregos e renda, aumentando também o número de contribuintes. A atual carga laboral de 44 horas semanais, ou 40 horas a depender do setor, permite a circulação de dinheiro que movimenta a economia, afinal, durante o expediente dificilmente pode-se fazer compras, ou ir ao médico, por exemplo. 

É preciso que o Sr. Robson Braga reveja este pensamento, e que os representantes dos setores comerciais e de serviços se manifestem no sentido contrário, ou serão severamente prejudicados com a redução do consumo e que terminaria impactando exatamente onde? Na indústria, afinal, o comércio e os serviços, que são o setor terciário, são os principais clientes do setor secundário, ou da indústria. 

2 comentários:

  1. Estamos muito ruins de políticos e empresários, precisamos de pessoas que ao invés de querer aumentar a carga tributária e o número de horas trabalhadas, queiram investir em educação, pesquisa, desenvolvimento, em qualidade, produtividade, e na infraestrutura e industrialização do país. Nossos empresários reclamam da mão de obra que não é qualificada, mas muitos também não tem visão e praticam gestão medíocre, por isto tantas demissões e falências ai junta um péssimo governo igual o da Dilma e pronto travam o país...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem por aí mesmo, Edson. Realmente se fala de produtividade, mas faltam ações que aumentem essa produtividade, e mais: falta mentalidade para isso. Obrigado pelo comentário!

      Excluir

«« LOCALIZAR »»