domingo, 9 de setembro de 2012

Impostos X Crescimento: quem vai ganhar?

A redução da alíquota de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para os produtos da "linha branca" (fogões, geladeiras e lavadoras de roupas) encerrou-se no último dia 31, e portanto, há a perspectiva de novo encarecimento destes produtos, hoje essenciais à vida das pessoas e já presente em milhões de cozinhas e áreas de serviços dos lares brasileiros.

Conforme entrevista realizada (clique aqui) com Lourival Kiçula, presidente da Eletros (Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos), houve um aumento nas vendas dos produtos beneficiados com a redução da alíquota do IPI e que esta redução deveria tornar-se definitiva, contribuindo inclusive para a manutenção dos novos empregos criados no setor.

É claro que como representante de uma associação empresarial de um determinado setor, há uma defesa ampla e irrestrita do benefício para seu setor de atuação, mas a verdade é que já há uma necessidade premente de rever a política tributária e sua respectiva carga há muito tempo. A competitividade das empresas brasileiras vem sendo solapada constantemente e muitas oportunidades, inclusive de aproveitar o empreendedorismo nato do brasileiro, vão sendo perdidas.

O governo brasileiro vem tentando fazer a economia crescer somente pela redução dos juros e consequente aumento do consumo, mas isto pode provocar uma alta inflacionária e uma queda nos volumes de poupança, que financiam os investimentos, ou seja, falta uma correção, que se daria pelo aumento da  arrecadação, mas através de impostos que exijam menos de cada contribuinte isoladamente e que alcancem um número maior de contribuintes, o que no caso das empresas só se dará se houver estímulos para a abertura de novos empreendimentos.

Fora disto, o Brasil vai sempre viver do crescimento chamado "vôo de galinha"... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

«« LOCALIZAR »»