terça-feira, 8 de março de 2011

Atendimento: se vai fazer, faça direito!

Caros amigos,

Depois de um longo período ausente, por estar preparando aulas de pós-graduação, estou de volta, e desta vez abordando um tema que sinceramente, na minha opinião nem deveria suscitar nenhuma consideração,  de tão básico, mas vamos em frente assim mesmo.

O (bom) atendimento ao cliente, infelizmente, ao menos aqui em Salvador, constitui-se em um diferencial entre as empresas, quando deveria ser básico. Um exemplo (negativo) é o das redes de supermercado. Quase sempre há grandes filas, coincidentes com boa parte dos caixas fechados e produtos sem preços nas gôndolas, ou seja, os direitos do consumidor não valem nada.

Falei dos supermercados, mas este "privilégio", não é exclusivo deles. Falhas de atendimento são bastante comuns em restaurantes e lanchonetes (pelo menos nos shoppings). Não raro, pede-se uma coisa e recebe-se outra diferente (já aconteceu comigo), ou fora das condições solicitadas. Por exemplo: eu e minha esposa já decidimos evitar um certo restaurante do Salvador Shopping, pois quase sempre a carne vem mal passada (algumas vezes quase crua, com o sangue descendo), quando ela solicita claramente, e mais de uma vez, que a carne esteja bem passada.  

Nestas situações fico me perguntando: "é desse jeito que vamos receber uma Copa do Mundo daqui a 3 anos e meio e os Jogos Olímpicos daqui a 5 anos e meio?" Uma das vezes que pensei nisso, foi ao chegar ao aeroporto de Salvador, voltando de uma viagem de trabalho à Fortaleza, quando minha mala demorou mais de meia hora para aparecer e boa parte dos passageiros já estava aflita, reclamando, temendo extravios.

E falando em aeroporto, mês passado, viajando para Barreiras-BA, uma senhora me relatava o descaso de uma companhia aérea, ocorrido no dia anterior, quando mesmo com a passagem paga, o nome do filho desta senhora (um menino de uns 7 ou 8 anos de idade) não estava sendo localizado e a tripulação, avisada, não esperou cinco minutos que fossem para tentar ajudar a resolver o problema, ou seja, decolaram, abandonando mãe e criança em Salvador. Quem vê assim, pensa que nunca há atrasos de vôos. Bom senso também ajuda a atender bem o seu cliente.

Outro setor onde o mau atendimento impera é o de telefonia e internet. Sempre que preciso ligar, não perco menos de 10 minutos entre as opções possíveis, até conseguir chegar onde preciso, que é "Falar com o atendente". Fazer um cancelamento, então, é um drama. Nestes casos, sugiro anotar o nome do atendente, o dia e o horário e reportar à ANATEL, que normalmente é o que resolve. 

São coisas assim, pequenas na maioria das vezes, que destroem o atendimento e provocam a irritação do consumidor. Eu mesmo, se mal atendido, passo a evitar a empresa e se  puder, ainda informo do mal atendimento para quem eu conheço. Acredito que só assim, infelizmente, com quedas de faturamento e de vendas, haja um real interesse em repensar o que está errado de fato.

Um abraço e até mais!

Um comentário:

  1. Aproveito a visita para divulgar o blog www.mastigandoemsalvador.blogspot.com
    Um espaço onde você encontrará diversas resenhas sobre aventuras gastronômicas!

    ResponderExcluir

«« LOCALIZAR »»